A chave dos mundos - A torre de Phart Halor (#1)

19/09/2018








Editora: Althea
Autor: Zeca Machado
Número de páginas: 405
Sinopse (resumida): Uma devastação causada pelo Exército Negro e mercenários, comandados pelo Senhor das Sombras. Perseguição, destruição na procura por um recém-nascido.
Uma chave para libertar ou definitivamente aprisionar.
Duas irmãs, um único destino.
Uma grande jornada por respostas.
Amizade, lealdade e justiça.
Reencontro.





RESENHA


Somos apresentados a cidade de Cirròt, onde a vida era tranquila, com paz e todos vivendo felizes durante anos. Porém, o Governador da província, Grodhel, recebe a profecia de que uma sombra está começando a surgir aos redores e que isto poderia se tornar muito perigoso. 

Não vou focar em detalhes que não são, exatamente, revelantes - como alguns personagens -, mas sim nos principais, como no caso de Liohr, um homem alto e musculoso, no qual trabalhava como ferramenteiro e considerado um dos melhores de Cirròt, e que se casou com Asirl, uma mulher linda e amável com todos. Esse casal é um exemplo pra geral, sério mesmo! Eles são pais de gêmeas, Narhen e Ishiá, no qual foram separadas drasticamente quando Liohr e Asirl fugiam das buscas do Exército das Sombras (ou O Exército Negro), no qual estavam atrás de duas meninas que futuramente estragariam completamente os planos deles e os planos do Senhor das Sombras. 
Nesse momento perceberam que, até então, não haviam dado nomes às meninas. Asirl, fechando os olhos disse:
- A primeira se chamará Ishiá e a segunda Narhen! 

Separadas tragicamente ainda quando bebês, Narhen acabara ficando com o pai e Ishiá, com a mãe. Ambos os pais passaram por situações difíceis enquanto lutavam para proteger as meninas, no qual em sua inocência, não sabiam de nada ou do perigo ao seu redor. Devo dizer que Liohr e Asirl foram incríveis em todos os momentos, em todas as suas lutas. O amor dos pais por suas filhas é sem tamanho, e eles deixaram isto bem claro durante a leitura, o que me encantou e me fez sorrir ainda mais.

Narhen e Liohr então foram salvos por um povo élfico, no qual os encontraram na boca de Sheerk, o dragão de mil dentes, como os elfos daquela vila chamavam o rio, em que pai e filha caíram. 

Narhen crescia naquela vila muito feliz, não tendo ideia de que tinha uma irmã gêmea ou que seu futuro estava ligado a aventuras fantásticas em busca da luz e paz para todos. As amizades que construíram, principalmente com Mèrthil, o elfo que cuidou deles quando foram salvos, é encantadora. Fiquei muito emocionada com a partida deles da vila, já que Narhen recentemente estava tendo sonhos, mensagens dos deuses avisando-a que ela precisava ir a algum lugar, e é claro que Liohr iria com a filha,  que tinha completado 17 anos. 

- Algo mais forte, que não consigo imaginar o que seja, me chama e não conseguirei resistir a esse chamado. Tenho que ir, mas você estará sempre presente em meu coração! Um dia, quando for resolvida essa questão, voltarei.
- Eu a aguardarei!  

O romance também está presente no livro, porém, não é o foco principal, mas gostei muito de ver este lado da Narhen, no qual me identifico bastante com ela. Uma personagem forte, inteligente, que não desiste por qualquer coisa e que me encantou de várias formas durante a leitura. Seu pequeno romance com Galler é um momento em que vemos o seu lado sensível, seu lado como uma garota que também quer ter o sua própria história de amor, mesmo que várias coisas a façam não dar foco nisso. Amei demais!

E claro, não posso deixar de falar como ficou a situação de Ishiá e Asirl. Bom, como Narhen e seu pai caíram no rio e foram arrastados para longe, Asirl conseguiu escapar de uma situação de vida ou morte junto com Ishiá, passando por uma aventura arrepiante em uma floresta que parecia não ter fim. Ambas correram um risco enorme de vida, mas foram salvas por alguns dos homens de Phart Halor, a Cidade Esquecida, no qual foram abrigadas e hospedadas na casa de Narzhilé, que tornou-se a melhor amiga de Asirl e uma segunda mãe para Ishiá. Também fizeram amizades com os elfos (que são os elfos da floresta) desta cidade, mesmo que alguns ainda as olhasse de forma receosa.


Até a metade do livro, o foco estava mais nas aventuras de Narhen e Liohr, no qual durante sua caminhada encontraram pessoas incríveis e amizades que durariam para sempre, como por exemplo: Zarthrus, um gnomo muito esperto e que os ajudou de diversas formas durante os anos de aventura. Sim, duraram anos a jornada de Narhen com seu pai, pois como agora sabia sobre sua irmã, sua missão era justamente encontrá-la, pois só assim as duas poderiam ser capazes de destruir a Sombra que crescia mais e aqueles que faziam mal ao povo.

As amizades construídas foram fiéis a eles, o que achei um máximo! 

Enquanto víamos o crescimento de Narhen, também víamos o crescimento de Ishiá como sacerdotisa, no qual foi melhorando cada vez mais. 

E falando em aventura, gente... GENTE! As lutas, sangue, os inimigos! Tudo me deixou eufórica e surtante. Para quem não sabe, eu gosto bastante de livros que tenham ação, sangue, batalhas, o que for nesse estilo de fantasia. Me envolvi nas lutas em que eles se metiam, nas viagens que faziam e que tinham de tentar escapar. E é por isso que me identifiquei mais com Narhen, uma guerreira muito ousada e que não tinha medo de lutar até desmaiar. 

Zeca soube nos envolver, nos viciar na leitura. Ele arrasou neste livro.

Narhen e Ishiá mostraram que amavam os outros mesmo sem conhecê-los. Elas, mesmo separadas, lutavam para se encontrar e finalmente trazer a luz para aqueles que sofriam nas mãos dos soldados, que passavam fome, que perderam parentes, etc. A lição de amor dada no livro é linda, é de querer buscar a amar mais as pessoas. O amor vence!

Sobre a diagramação, o livro tem as folhas amareladas; a letra é num médio, que não incomoda a vista; nas orelhas temos uma citação e sobre o autor; foram poucos os erros que encontrei no decorrer da leitura, então nada a falar sobre isso realmente; as ilustrações SÃO UM ARRASO, sério mesmo!

E as duas se abraçaram bem embaixo da Torre dos Antepassados, na cidade esquecida de Phart Halor. 


LEIAM, porque vão amar. Um livro surpreendente!





0










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Que tal deixar a sua opinião registrada aqui no blog?! Nós ficamos muito felizes por saber o que você pensa e pela sua visita.
Comentários passam por moderação e são sempre respondidos! Caso queira ver a resposta, ative a notificação.